Terras inicialmente habitada pela tribo indígena dos Maracás, foi ocupada gradativamente com a chegada dos garimpeiros e dos anos áureos da exploração das famosas jazidas e minérios da Chapada Diamantina.

 

Em 1710 foi encontrado ouro próximo ao Rio de Contas Pequeno, trazendo os bandeirantes e exploradores. Um século mais tarde, são descobertos diamantes valiosos nos arredores do Rio Mucugê, comerciantes, colonos, jesuítas e estrangeiros se espalham pelas vilas, e o detentores de maiores riquezas, grande parte oriunda da atividade agropecuária, que tomba diante da opulência do garimpo.

História

Por Manoel Novaes Neto com informações do Wikipédia, A Enciclopédia Livre

 

O Parque Nacional da Chapada Diamantina fica na parte central do estado da Bahia, no nordeste do Brasil. É uma região de serras onde ficam as nascentes dos rios Paraguaçu, Jacuípe e Rio das Contas.


A Chapada reúne uma variação de atrativos, em destaque os naturais, com passeios e experiências visuais inesquecíveis, mas encontramos muita história e cultura, em um povo pacato, acolhedor e conectado coma terra.

 

No coração da Bahia, é Roteiro certo para quem busca paz e tranquilidade ou para quem está atrás de aventura e contato com a natureza e gente disposta ao encontro.

 

A vasta Mata Atlântica, campos floridos e planícies de um verde sem fim dividem a paisagem com toques de caatinga e cerrado. Imensos paredões, desfiladeiros, cânions, grutas, cavernas, rios e cachoeiras completam o cenário de rara beleza da Chapada Diamantina.

Com a morte do famoso coronel Felisberto Augusto de Sá, as disputas pelo poder na região se intensificaram. Os coronéis Felisberto Sá e Heliodoro de Paula Ribeiro travaram, através de seus jagunços, uma guerra na região da Chapada dando por fim seu apelido de Era Diamantina. As violentas disputas terminou com a intervenção do governador baiano. 

Um período de relativa paz marcou a passagem de comando dos coronéis a seus sucessores. Horácio de Matosassume as áreas e propõe paz entre as famílias. Um curioso início de carreira para o homem que, após violentas batalhas contra a Coluna Prestes, seria definitivamente considerado o coronel mais temido e respeitado da Chapada. 

 

 

 

 

Famoso reduto de belezas naturais, a Chapada resguarda uma diversidade grande de fauna e flora. São mais de 50 tipos plantas exóticas como bromélias, orquídeas e trepadeiras. Encotramos espécies animais raras, como o tamanduá-bandeira, o tatu-canastra, porco-espinho, além de gatos selvagens, capivaras e inúmeros tipos de pássaros (o beija-flor gravatinha é encotrado apenas nesta parte do mundo) e répiteis. O Parque Nacional da Chapada Diamantina, criado na década de 80 do séc. XX atua como órgão protetor deste imenso ecossistema.

 

 

 

 

 

 

 

TIPOS DE VEGETAÇÃO: Caatinga com grande diversidade quando abaixo de mil metros de altitude; Cerrado com campos rupestres e diferentes tipos de mata (da mais seca à mais úmida); Já acima de mil metros encontramos uma predominação dos campos rupestres com ligados a quartzitos, de solo mais arenoso, predominando o cerrado. As matas desevolvem-se melhor nas encostas, ligadas a granitos e gnaiss, úmidas à medida em que sobe a altitude. As matas de caatinga possuem com muitas árvores espinhosas, como a Acacia e a Mimosa, com lindos cactos e bromélias. Algumas espécies são marcantes na fisionomia da vegetação e a diversidade da flora com gêneros e espécies endêmicos (nativos). 

 

A Chapada Diamantina, no coração da Bahia

press to zoom
Cachoeira da Fumaça
Cachoeira da Fumaça

press to zoom
Atrativos
Atrativos

Trekking, Trilhas de Aventura, Acampamento, Passeios de Bike, Cavalo, Motos e Carros.

press to zoom

press to zoom
1/49

Fauna e Flora

Geografia e Gelogia

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

Região marcada por diferenças sociais e concentrações de renda. Da segunda metade do século XIX até os anos 30 a Chapada foi marcada pelo histórico Coronelismo, que rendeu livros, filmes e novelas.

 

As tradicionais famílias proprietárias de terra davam emprego para os colonos e exploradores a procura de riquezas sendo epicentro economico, desta forma conquistavam a gratidão e fidelidade dessas pessoas formando grandes grupos, até exércitos de 'jagunços' que defendiam os interesses dos patrões com a própria vida. 

 

O sertão já foi mar. E aqui na Chapada, há cerca de 1,8 bilhão de anos, segundo geólogos, aqui já foi sim banhado pelas águas do mar até o choque de placas tectônicas mudassem drásticamente toda a região, criando profundas fendas e depressões que vemos hoje. Então formaram-se as serras sedimentares com a ação dos ventos, rios e mares, desenhando magníficas paisagens, revelando partes inacessíveis da terra, despertando nascentes e acolhendo rios, no que hoje chamamos de Bacia do Espinhaço, onde encontramos elevações de formatos diversificados e extremos. 

A região está dividida geograficamente entre serras: Serra de Rio de Contas, Serra do Bastião, Serra da Mangabeira, Serra das Almas e Serra do Sincorá. São elas dão vida e separam as bacia do Rio São Francisco, do Rio de Contas e do Rio Paraguaçu, que cortam parte do país e deságuam no Oceano Atlântico. 

 

 

 

 

 

 

 

 



A Chapada Diamantina fica na Serra do Espinhaço - uma cadeia montanhosa localizada no planalto Atlântico, da Bahia à Minas Gerais. Com formações do Proterozóico, contêm jazidas de ferro, manganês, bauxita, diamante e ouro. 

Responsável pela divisão entre as redes de drenagem do Rio São Francisco e as redes de drenagem dos rios que correm diretamente para o oceano Atlântico. É considerada reserva mundial da biosfera, por ser uma das regiões mais ricas do planeta, graças sua grande diversidade biológica. 

A Serra do Espinhaço pode ser considerada a única cordilheira do Brasil, pois é singular em sua forma e formação. Há mais de um bilhão de anos em constante movimento, é uma cadeia de montanhas bastante longa e estreita, entrecortada por picos e vales. Tem cerca de 1.000 quilômetros de extensão, no sentido latitudinal do Quadrilátero Ferrífero, ao Norte de Minas e, depois de uma breve interrupção, alcança a porção sul da Bahia. Todo esse percurso apresenta uma diferença mínima de longitude, ou seja, sua largura varia apenas entre 50 e 100 quilômetros. 

A Serra do Espinhaço foi considerada pela Unesco em 27 de junho de 2005 a sétima reserva da biosfera brasileira, devido a sua grande diversidade de recursos naturais; mostrando-nos a importância de protegê-la 

Mais da metade das espécies de animais e plantas ameaçados de extinção em Minas Gerais estão nas Cadeias do Espinhaço. Especialmente na Serra do Cipó, onde se encontra o maior número de espécies endêmicas da flora brasileira. 

As raízes africanas, européias e indígenas se misturam no Espinhaço, deixando marcas nos costumes e manifestações culturais das comunidades locais. A beleza e a cultura da região oferecem condições para o desenvolvimento do ecoturismo. 

Entre os municípios que são cortados pela Serra do Espinhaço estão Porteirinha, Mato Verde, Espinosa, Olhos-d'Água em Minas Gerais e Lençóis, Mucugê, Andaraí, Iraquara, Bonito, Ibicoara, Rio de Contas e Igatu. 

 

Localização, Limites, Explicação dos Limites e Tamanho - Localizada na parte centro-sul do bioma, alongada no sentido N-S e em forma de "Y", seguindo o alinhamento do divisor de águas da Chapada Diamantina. É inteiramente circundada pela ecorregião da Depressão Sertaneja Meridional. Os limites são explicados principalmente pelas mudanças de relevo, altitude e tipo de solo. É a parte mais alta do bioma Caatinga. Tamanho: 50.610 km2. 

 

Tipos de Solo, Geomorfologia, Relevo e Variação de Altitude - Esta é a ecorregião mais elevada da caatinga, quase toda com mais de 500 m de altitude. O relevo é bastante acidentado, com grandes maciços residuais, topos rochosos, encostas íngremes, vales estreitos e profundos, grandes superfícies planas de altitude e serras altas, estreitas e compridas. As altitudes variam de 200 a 1.800 m, com um pico (Pico do Barbado) de 2.033 m. Nos maciços e serras altas os solos são em geral rasos, pedregosos e pobres, predominando os solos litólicos (rasos, pedregosos e de fertilidade baixa) e grandes afloramentos de rocha. Nos topos planos os solos são em geral profundos e muito pobres, com predominância de latossolos (profundos, bem drenados, ácidos e de fertilidade baixa). Boa parte do leste da Chapada Diamantina é constituída por áreas que têm sofrido retrabalhamento intenso, causando um relevo bastante dissecado com vales profundos, com altitude variando de 200 a 800 m. Nestas áreas predominam os solos podzólicos (medianamente profundos, bem drenados, textura argilosa e fertilidade média) e os latossolos.A Chapada Diamantina contém as cabeceiras de vários rios que correm para a Depressão Sertaneja Meridional. 

 

Clima - Na parte oeste o clima vai de quente a tropical, com um gradiente crescente de precipitação das menores para as maiores altitudes. Nas áreas mais baixas a média anual fica em torno de 500 mm, enquanto ultrapassa os 1.000 mm nas partes mais altas. O período chuvoso vai de outubro a abril. Na parte leste o clima vai de tropical a semi-árido, com período chuvoso de novembro a maio e precipitação média de 678 a 866 mm/ano. 

 

Grandes Processos Característicos ou Influências - Gradientes de altitude (inclui os pontos mais altos do NE) que formam "ilhas" de campos rupestres separadas por vales mais baixos de caatinga - processo de isolamento que gera especiações. 

 

Gradiente de temperaturas (apresenta as temperaturas mais baixas do semi-árido) - Grande influência de longos períodos secos, contrastando com uma pluviosidade anual acima de 1.000 mm (chegando em alguns anos a 2.000 mm - maiores índices pluviométricos do semi-árido) e formação de neblina o ano inteiro. Abriga as nascentes da maioria dos rios perenes da Depressão Sertaneja Meridional, sendo o grande divisor de águas daquela ecorregião. Há influência da Serra do Espinhaço em elementos da flora, e a presença de cavernas é muito importante para a fauna.

FONTE: https://pt.wikipedia.org/

Contínuas divergências entre os coronéis levaram a conflitos e à criação de dois partidos políticos que era uma veradeira escolha de lado, representando até uma escolha social. Os liberais e conservadores (pinguelas e mandiocas) em tudo eram divididos, estabelecendo-se até uma cor-símbolo do partido, de uso obrigatório, além da formação de duas orquestras filarmônicas com histórias disputas em festas populares. 

Com a transição do Império para a República chegando com certo atraso à região, as tensões e conflitos só se intensificavam. A possibililade de um governo federal central, além da abolição da escravatura eram mudanças pertubadoras à uma política altamente conservadora.

whatsapp
Lençóis
Lençóis

Cidades Históricas da Chapada Diamantina

press to zoom
Igatu
Igatu

press to zoom
Lençois
Lençois

press to zoom
Lençóis
Lençóis

Cidades Históricas da Chapada Diamantina

press to zoom
1/7